Eu e Joyce no Carnaval na Suíça, Alalaô!

Por aqui o carnaval é quase inexistente. Então, vamos à tradução que é melhor.

Duas coisas boas aconteceram esta semana. Na quarta-feira (19), pude ver a primeira edição de Ulysses que está na Fundação James Joyce de Zurique. O exemplar de número 225 foi dado por Joyce ao oftalmologista Alfred Vogt como pagamento por uma cirurgia de catarata bem-sucedida. Aparentemente, era o último exemplar da primeira edição que Joyce ainda possuía.


Ontem (21), fui com três colegas brasileiros participar de uma conversa sobre tradução na Universidade de Zurique. Com Paula Abramo, Rodrigo Gonçalves e Wilson Alves Bezerra, tivemos uma boa conversa sobre nossos trabalhos e lemos trechos de nossas traduções. Deem uma olhada no cartaz.

Hoje, conto um pouco da história da Casa do Tradutor de Looren (Übersetzerhaus Looren). A casa foi projetada pelo editor Albert Züst e pelo arquiteto Oskar Stock para ser a casa da família Züst e, ao mesmo tempo, sua editora. Após a morte de Albert Züst e o fim da editora, Brigitta Züst, sua filha, anunciou o desejo de dar à casa da família um novo destino.



O tradutor Regula Renschler sugeriu que o local fosse transformado em uma residência para tradutores, o que finalmente ocorreu em 2005. Desde então, a Casa está sempre cheia, para a alegria dos residentes temporários.


A relação de espaços como esse, dedicados à tradução literária, pode ser encontrada neste link.


Abraços,


Vitor

108 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo