Bloom e o sabonete com cheirinho de limão

Atualizado: 21 de Fev de 2020

Estou de volta a Looren depois de um fim de semana em Dublim. Foi bom rever a cidade após quase seis anos. Dublim é hoje uma cidade de brasileiros. Pois é. Os brasileiros só perdem em número para os poloneses. Encontrar Leite Ninho e coxinha, acreditem, é fácil em Dublim.


Nessa curta viagem, encontrei meu amigo e colega de UFF, Beethoven Alvarez, que está fazendo pós-doutorado na Universidade de Saint Andrews, na Escócia. Aliás, Beethoven, que é latinista, vai traduzir um dos poemas do Joyce para o livro, o único que está em latim.


A viagem foi curta, mas pude voltar a alguns lugares importantes, como o James Joyce Center, e visitar o MoLI (Museum of Literature Ireland), aberto há menos de seis meses. Também voltei à Sweney’s, farmácia no tempo de Joyce e hoje um local mantido como livraria e ponto de encontro e leitura da obra de Joyce, tendo à frente o inigualável P. J. Murphy (que já esteve no Brasil e fala português!). Acredito que Beethoven vai concordar que a visita foi o ponto alto da viagem; ia durar 10 minutos e durou duas horas, tendo continuado no pub em frente, o Kennedy’s.


Se forem à “farmácia”, não deixem de comprar o sabonete com cheirinho de limão que atraiu Bloom no capítulo cinco de Ulysses e que é vendido até hoje, mas só na Sweney’s. É uma delícia e ajuda a manter o local aberto.


Fiquem com duas fotos da Sweney’s:



Agora, de volta às traduções.


Abraços,


Vitor

37 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo